Você está aqui: Home / Imprensa / Notícias / Assim caminha a humanidade

Eduardo Daher analisa os desafios diante de uma população mundial de 7 bilhões.

&quote;

Neste 31 de outubro, a Terra atingiu a marca notável de 7 bilhões de habitantes. A data e o número ensejam reflexões em diferentes enfoques, segundos as diversas áreas de interesse. O crescimento populacional em ritmo vertiginoso foi propiciado não pela taxa de nascimentos – esta tem até reduzido. O que se viu foi o aumento da expectativa de vida, graças aos avanços do conhecimento humano em áreas como Medicina, do nível educacional e sanitário nas cidades, e pela modernização tecnológica nas atividades agropecuárias e industriais, com maior oferta de alimentos e de melhor qualidade. Os números não deixam dúvidas.

Em 1900, na Europa Ocidental, desenvolvida, as pessoas morriam, em média, aos 40 anos; na Alemanha, a expectativa de vida era de 37,2 anos. Os brasileiros nascidos nesse período tinham, segundo dados do IBGE, a esperança de viver somente até os 32 anos. De acordo com o historiador inglês Thomas Kirkwood, da Universidade de Newcastle, hoje, a cada dia a expectativa de vida aumenta em cinco horas. A média de vida no Canadá e no Japão supera 80 anos. No Brasil, vive-se até os 72,5 anos – as mulheres até os 76,2 anos.

Ou seja, o planeta precisou de quatro bilhões de anos, desde o início da vida no Planeta, para alcançar, no ano da descoberta do Brasil, a população de 400 milhões de habitantes. Pois bem: quem nasceu em 31 de outubro de 1936 – apenas para ficar no ano de estréia do filme de Chaplin -, portanto, hoje com 75 anos de idade, testemunhou a população multiplicar em três vezes e meia, saindo dos então 2 bilhões de pessoas para os 7 bilhões agora reverenciados.

Se tal indicador de qualidade de vida deve ser comemorado, é certo que o cenário em 31 de outubro de 2020 preocupará nossos filhos e netos quando analisarem a população, segundo projeções da ONU, de 8 bilhões de habitantes e, em 2050, quando terá alcançado 9 bilhões. Joel E. Cohen, da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, lança a pergunta no título de seu livro How Many People Can the Earth Support? De fato, dois problemas se acentuaram de forma dramática – e devem se constituir o ponto central de reflexão no dia de hoje. Um deles é o atual cenário econômico.

O que assusta o mundo é o fato das atuais crises ter eclodido nos Estados Unidos, em 2008 – o que colocou, de acordo com o historiador Eric Hobsbawn, em xeque o seu papel de líder mundial da economia de mercado – e, este ano, na até então historicamente sólida Europa. Como é freqüente nas crises modernas, é preocupante que essas começam na órbita do mercado financeiro e, logo em seguida, se deslocam para causar estragos na esfera da economia real, isto é, da produção bens e dos serviços: comércio, indústria e agropecuária. Contudo, apesar da dimensão da crise, o tema que tem prevalecido refere-se à agenda ambiental.

Em junho do próximo ano, o Brasil sediará o encontro Rio+20, marcando os vinte anos de realização do Eco 92, no Rio de Janeiro. Todas as preocupações com o meio ambiente mais do que se justificam; os alertas cumprem papel mobilizador; mudam cabeças de pessoas, partidos políticos, empresas, instituições e governos. Mas é preciso notar que o aquecimento global se deve à atividade humana moderna, de acordo com o documento final do Painel sobre Mudanças Climáticas, da ONU, a COP 15, ano passado: o crescimento do PIB per capita e da população foram determinantes do aumento das emissões globais durante as últimas três décadas do século XX. Por isso, insistir no falso dilema “preservar ou desenvolver” leva a outro equívoco, muito mais grave: o empenho pouco decidido, de governos e sociedades, diante do sofrimento daqueles que não têm o que comer – uma, em cada sete pessoas. Ou, 1 bilhão de famintos, entre os 7 bilhões de habitantes alcançados hoje.

Na verdade, conservar a natureza e o desenvolvimento socioeconômico são rumos urgentes e complementarmente possíveis. A resposta está na agricultura moderna – seja a chamada familiar ou a de grande escala – quando ambas aliam os manejos sustentáveis à imprescindível eficiência tecnológica. Estudo da Universidade da Pensilvânia concluiu que a produtividade do trabalho no Brasil caiu 15% nas três últimas décadas. “A exceção é a agricultura, cuja produtividade teve grandes avanços no Brasil”, destaca José Alexandre Scheinkman, economista de Princeton. É também a conclusão de estudo da Embrapa: entre 1970 e 2010, o preço real dos alimentos caiu pela metade, graças à revolução tecnológica levada ao campo.

São conquistas que tornam estranhas, hoje, manchetes de jornais de algumas décadas atrás. “Pode faltar pão no estado; farinha só dá até agosto” (Folha de S. Paulo, 04.07.1960). Ou seja, o que avançou extraordinariamente não foram as máquinas sobre áreas nativas, e sim a produtividade de alimentos nas mesas dos brasileiros e do mundo.

Eduardo Daher, 61, é economista pela FEA/USP, pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV-SP e diretor executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal, Andef

 

 

ANDEF. Avenida Roque Petroni Júnior, 850 . 19º andar . Torre Jaceru . Jardim das Acácias . CEP: 04707-000 . Tel.: 55 (11) 3087-5033 - (Mapa) Desenvolvido por UAU!LINE.