Você está aqui: Home / Imprensa / Notícias / Boas práticas agrícolas

Em artigo, José Annes Marinho comenta a importância da educação para o campo

“Grandes mudanças não acontecem quando a sociedade adota novas ferramentas. Acontecem quando a sociedade adota novos comportamentos”. A afirmação é do professor da Univerdade de New York, Clay Shirk, e refere-se aos inúmeros meios de comunicação social. No entanto, ela serve muito bem para elucidar uma característica comum na agricultura brasileira.

Os cultivos, sejam eles de qualquer cultura, possuem ferramentas bem constituídas para estabelecer atividades em sintonia com a responsabilidade socioambiental e as boas práticas agrícolas, mas apenas a instituição de regras ou fornecimento de tecnologias não é garantia da utilização correta e permanente desses recursos. É certo que o respeito às normas é fundamental. Mas é principalmente o diálogo, conscientização e capacitação dos profissionais do setor que incentivam e viabilizam a adoção de práticas agrícolas sustentáveis. Para isso, é preciso, de fato, que os profissionais envolvidos entendam e abracem o conceito de responsabilidade social e ambiental e os benefícios que podem ser conquistados a partir de todo este processo que podemos chamar de Agricultura Sustentável.

Para proteger as famílias e os campos brasileiros, é preciso tecnologia de ponta e produtos eficazes, mas, é necessário acima de tudo de informação, conhecimento e educação para a família rural. Ao difundir os hábitos sustentáveis, é possível instituir uma nova mentalidade voltada à adoção de boas práticas e diminuir de maneira significativa os danos à saúde, ambiente e qualidade de vida dos profissionais envolvidos, bem como minimizar os impactos ao meio ambiente.

Nesse contexto, o grande desafio enfrentado pelas indústrias e entidades do setor agrícola é planejar, organizar, inovar e desenvolver formas de educar e levar a responsabilidade socioambiental aos campos brasileiros de maneira eficaz, rumo a uma agricultura forte e responsável.

Muito já fez para agricultura brasileira e há muito ainda a ser feito, com relação à difusão de tecnologia, novas ferramentas, biotecnologia, insumos agrícolas mais eficazes e seguros ambientalmente e com perfil toxicológico adequado as necessidades dos produtores agrícolas. Vale ressaltar, por exemplo, que o Brasil é o país que utiliza de forma mais eficiente defensivos agrícolas por tonelada de alimento produzido, ou seja, se gasta em defensivos U$ 7,39 para produzir 1 (uma) tonelada de alimentos, quando comparado ao EUA que gasta U$ 9,42 para produzir a mesma quantidade, ou até mesmo a União Européia berço da agricultura orgânica U$ 20,65/ton alimento (Fonte: Kleffman). Outro exemplo que somos referência: há 20 anos, para se produzir 1 (uma) tonelada de Arroz se gastava 5000 litros de água, hoje devido as tecnologia implantadas se gasta pouco mais de 1.800 litros para a mesma tonelada de arroz.

No entanto, os desafios não param. O Brasil sem dúvida tem potencial para ser o armazém do mundo, mas isso não será possível se não investirmos em educação, tecnologia e políticas de incentivo ao setor responsável por 27% do PIB.

Fonte: José Annes Marinho, Gerente de educação da Associação Nacional de Defesa Vegetal, Andef

ANDEF. Avenida Roque Petroni Júnior, 850 . 19º andar . Torre Jaceru . Jardim das Acácias . CEP: 04707-000 . Tel.: 55 (11) 3087-5033 - (Mapa) Desenvolvido por UAU!LINE.