Você está aqui: Home / Imprensa / Notícias / Contribuição à Saúde Pública

Inseticida torna mosquito da dengue incapaz de picar, diz pesquisa da USP.

Fêmeas do mosquito Aedes aegypti, o transmissor da dengue, que receberam aplicação de um tipo específico de inseticida agrícola perdem a capacidade de picar seres humanos, o que afasta o risco de transmissão do vírus que causa a doença, segundo pesquisa desenvolvida na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), campus da Universidade de São Paulo (USP) em Piracicaba (SP).

O professor Octávio Nakano, docente do Departamento de Entomologia e Acarologia da instituição, descobriu que a aplicação de uma pequena quantidade de um defensivo chamado pimetrozina no processo de termonebulização contra a dengue – o popular ‘fumacê’ – paralisa a musculatura bucal dos mosquitos que conseguem sobreviver à dedetização.

‘Após a aplicação do inseticida, as fêmeas não conseguem mais introduzir seus estiletes na pele humana, o que as impede de sugar o sangue e inocular a saliva, às vezes contaminada pelo vírus da dengue’, explicou Nakano. Os Os testes comprovaram que, após 50 minutos de tentativas, as fêmeas não conseguiram picar e acabaram morrendo por exaustão e também pelo efeito do inseticida.

Segundo o Ministério da Saúde, somente as fêmeas infectadas do mosquito Aedes aegypti transmitem o vírus da dengue. ‘Essa pesquisa pode abrir novos caminhos, não somente contribuindo com a eliminação da dengue, como também outras moléstias transmitidas por insetos’, afirmou o professor. Nakano, que é da área agrícola, espera buscar apoio de profissionais e entidades da área da saúde para continuar os estudos.

Fase de testes

Para que o uso da pimetrozina seja autorizado em processos de nebulização nas cidades e áreas de infestação, é preciso que a técnica passe por testes de campo e, assim, fique comprovado que não há riscos à saúde humana.

Na agricultura, a substância química é utilizada no controle de insetos sugadores como pulgões, cigarrinhas e tripés.

Até agora, o produto havia sido recomendado apenas para insetos que sugam vegetais. ‘Seu mecanismo de ação é sobre o sistema nervoso, basicamente sobre os nervos da musculatura que atuam no mecanismo da salivação’, disse o responsável pelo estudo.

Outros caminhos

A pesquisa apontou ainda a eficácia do defensivo agrícola sobre larvas de mosquitos que vivem na água, que morrem dias depois a exposição. ‘A observação de que a pimetrozina pode afetar os mosquitos abre caminho para sua avaliação sobre outros tipos de dípteros como as moscas sugadoras de sangue, tipo a mosca do chifre e a mosca de estábulo’, afirmou.

Fonte: Portal G1

ANDEF. Avenida Roque Petroni Júnior, 850 . 19º andar . Torre Jaceru . Jardim das Acácias . CEP: 04707-000 . Tel.: 55 (11) 3087-5033 - (Mapa) Desenvolvido por UAU!LINE.