Você está aqui: Home / Imprensa / Notícias / É falso dizer que o agronegócio ameaça a biodiversidade, diz Xico Graziano

Agropecuária ocupa 29% do território. Brasil é potência agroambiental.

*Xico Graziano – 31.01.2018

O agronegócio é uma ameaça ao patrimônio natural e à biodiversidade no Brasil. Certo? Completamente errado.

Dados recentes divulgados pela NASA, agência espacial norte-americana, mostram que o Brasil utiliza apenas 7,6% de seu território com lavouras. O índice está muito perto daquele calculado, em 2016, pela Embrapa (7,8%).

Para comparação, esse índice fica entre 45% e 65% nos países da Europa. Nos Estados Unidos, a relação é de 18,3%; na China, 17,7%; na Índia, 60,5%. Portanto, se você “achava” que tudo estava virando um mar de soja, ou de cana-de-açúcar, e que não restaria mais nada das florestas virgens, está completamente equivocado.

Aproxima-se de 64 milhões de hectares a nossa área total cultivada. Nela se incluem as lavouras anuais ou temporárias (assim chamadas pelo ciclo curto de produção, como cereais, oleaginosas, algodão, verduras), as semipermanentes (cana-de-açúcar) e as permanentes (cacau, café, laranja e outras frutas).

Quatro países exploram áreas agrícolas bem maiores que a do Brasil: Índia (179,8 milhões de hectares), Estados Unidos (167,8 milhões de hectares), China (165,2 milhões de hectares) e Rússia (155,8 milhões de hectares). Em todos a possibilidade de expansão agrícola é nula, ou seja, eles já se encontram no nível máximo de exploração das terras cultiváveis. Aqui, certamente ainda deveremos aumentar os nossos cultivos.

Além das lavouras, outra parte do território está dedicado à pecuária. Segundo os estudos da Embrapa, 22,2% da superfície nacional é explorada com pastagens, incluindo as gramíneas plantadas (13,2%) e as nativas (8,0%). Ou seja, somando as lavouras com as pastagens, a agropecuária ocupa 29% do Brasil.

As florestas e demais vegetações originais, por seu lado, ainda se fazem presente sobre 66,3% do território brasileiro. É sensacional. Nessa área se incluem os biomas mantidos: a) nas unidades públicas de conservação; b) preservados dentro das propriedades agrícolas; c) existentes nas reservas indígenas; d) encontrados nas terras devolutas da Amazônia. Confira os dados aqui.

 

Tais informações mostram certo exagero na celeuma sobre o caráter antiecológico da nossa agricultura. É claro que a pressão sobre áreas naturais é distinta entre as regiões do país. Algumas se encontram mais exploradas pelo agro. Outras, menos. Nada autoriza, porém, alimentar o falso discurso que afirma estarem os agricultores acabando com a biodiversidade no Brasil. Chega desse ecoterrorismo contra o agro.

A realidade se impõe: o Brasil é uma potência agroambiental, uma soma virtuosa do ruralismo com o ambientalismo. Desenvolve um modelo altamente produtivo no campo, mantendo suas riquezas naturais. Dá um show nas energias renováveis. Avança na agricultura de baixo carbono.

Logo começará o grande debate nacional provocado pelas eleições presidenciais. Tomara que ele venha alicerçado com bons argumentos, fontes fidedignas, precisas. No campo, como na cidade, existem problemas a serem enfrentados, superados. Merecem ser analisados. Sem “achismos”.

Fonte: Poder 360

ANDEF. Avenida Roque Petroni Júnior, 850 . 19º andar . Torre Jaceru . Jardim das Acácias . CEP: 04707-000 . Tel.: 55 (11) 3087-5033 - (Mapa) Desenvolvido por UAU!LINE.