Você está aqui: Home / Imprensa / Notícias / Entrave à competitividade

Falta de estímulo à inovação prejudica desenvolvimento do agro nacional.

Enquanto a agricultura brasileira tem crescido a passos largos na última década, a aprovação de produtos de combate à pragas e plantas daninhas tem caminhado no ritmo contrário e decresceu nos últimos anos, segundo analisou Eduardo Daher, diretor executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef).

Durante palestra na última quarta-feira (20), no XXVIII Congresso Brasileiro de Agronomia (CBA), em Cuiabá, ele apresentou gráficos que mostram esse paradoxo e criticou a burocracia brasileira para aprovação de novas moléculas.

Segundo Daher, hoje a fila nacional para aprovação e registro de um produto é em média de 11,7 anos, considerado um absurdo por todo o setor e uma grande luta da agricultura. ‘Temos deficiências para combater uma alta incidência de pragas’, disse ele, exemplificando com o ataque inédito e recente da Helicoverpa armígera nas lavouras de todo o país.

Para o controle de pragas na agricultura, ele diz serem necessárias algumas medidas, como a rotação de culturas, manejo integrado de pragas, vazio sanitário, áreas de refúgio e rotação de ingredientes ativos.

‘Acontece que o mercado brasileiro não permite a entrada de tantos produtos que sejam suficientes para aplicação correta da rotação de ingredientes ativos’, reclama o diretor da Andef.

Ele ressalta que o uso de defensivos é imprescindível para o bom desenvolvimento agrícola, sobretudo por conta do clima tropical, que aumenta muito a incidência e desenvolvimento de pragas, e de o Brasil, segundo ele, ter uma ‘barreira sanitária muito porosa’.


Fonte: Portal do Agronegócio

ANDEF. Avenida Roque Petroni Júnior, 850 . 19º andar . Torre Jaceru . Jardim das Acácias . CEP: 04707-000 . Tel.: 55 (11) 3087-5033 - (Mapa) Desenvolvido por UAU!LINE.