Você está aqui: Home / Imprensa / Notícias / Os alimentos não estão contaminados com agrotóxicos

Segundo dados divulgados pela Anvisa, 98% dos alimentos foram considerados próprios para o consumo segundo dados do relatório do Programa de Analise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) para o ano de 2012.

Os limites máximos de resíduo de agrotóxicos encontrados foram respeitados, sendo a maior parte das inconformidades do tipo produtos não registrados para a cultura analisada. Isto reforçou a tese de que o grande gargalo está na falta de produtos registrados para algumas culturas, as chamadas Minor Crops ou culturas de baixo suporte fitossanitários, porém são a maior parte das frutas, legumes e verduras que consumimos. Por exemplo: melão, morango, goiaba, manga, mandioca, alface, cebola, pimentão, pepino, jiló, maxixe, vagem, quiabo, cebolinha, coentro…

Para essas culturas, por uma questão de mercado, não é lucrativo registrar produtos fitossanitários (agrotóxicos) o que deixa esses produtores sem opção se não usar produtos registrados para um mesmo alvo (praga), mas para outra cultura.

A grande surpresa foi a mudança de postura louvável da Agência, que fez a leitura correta dos dados, inclusive destacando que os consumidores poderiam consumir os alimentos, pois não haveria nenhum risco. Em divulgações anteriores a inconformidade se transformava em contaminação o que prejudicava profundamente os produtores daqueles produtos, normalmente produtores familiares de pimentão, berinjela, beterraba entre outras culturas.

Infelizmente, apesar de soja e outras grandes culturas com milho, algodão, cana-de-açúcar serem extremamente tecnificadas e seguirem todas as recomendações de segurança para o operador e para o meio ambiente, são estereotipadas junto com uma notícia sensacionalista como poluidores.

Ficou claro que a grande questão não é o uso do produto, mas seu registro, o que é um grande gargalo hoje no Brasil. O sistema de processo de registro de agrotóxicos no país é provavelmente o mais burocrático e moroso do mundo. Chega a levar mais de 7 anos para sair um registro. Uma fila de mais de mil pedidos aguardando carimbos, análises e reanálises.

É obvio que todos querem alimentos seguros e se possível sem ter que usar agrotóxicos, inclusive os próprios produtores têm um custo para utilizá-los. Mas infelizmente ainda não conseguimos garantir alimentos abundantes e baratos sem estes produtos. Ademais, seguindo recomendações técnicas, é possível produzir com segurança como ficou patente no relatório da Anvisa.

Porém, o maior mal que aflige produtores e ameaça o abastecimento é justamente a falta de agilidade de novos registros, mais eficientes, com necessidade de doses menores e, portanto, de menor risco. E infelizmente, entram nessa conta também os biológicos.

Com o passar dos anos pela frequência de uso, alguns produtos perdem eficiência assim como um antibiótico sendo usado para o mesmo agente infeccioso. Se não houver um novo produto para fazer uma rotação com o primeiro, a tendência é que a população da praga ou doença comece a sair do nível de controle e passe para o nível de dano da cultura (não se elimina a praga, apenas se aprende a conviver com ela).

Sendo assim, ou mudamos o sistema de registro de novos produtos fitossanitários ou aos poucos vamos ver cada vez mais prejuízos nas plantações por falta de suporte fitossanitário adequado. Vimos com grande alegria os produtores no oeste baiano aprenderem a conviver com a Helicoverpa do jeito correto, usando produtos biológicos, entrando com controle químico só quando necessário.

Agora precisamos de uma contrapartida do governo e do Congresso Nacional. Trabalharmos como uma nação pelo futuro do Brasil. Deixarmos de lado pensamentos xiitas e que não agregam nada. Se formos guiados pela lógica, ciência, bom senso, e pelos fatos, todos deveremos caminhar para o mesmo caminho. Uma revisão do marco legal de agrotóxicos em conjunto com o rito do processo de registro. Afinal, contra fatos não há argumentos como deixou claro o relatório da Anvisa.

 

*Almir Dalpasquale é presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Brasil (Aprosoja Brasil).

ANDEF. Avenida Roque Petroni Júnior, 850 . 19º andar . Torre Jaceru . Jardim das Acácias . CEP: 04707-000 . Tel.: 55 (11) 3087-5033 - (Mapa) Desenvolvido por UAU!LINE.