Você está aqui: Home / Imprensa / Notícias / Queda na demanda poderá beneficiar preço dos defensivos para agricultores paulistas, aponta estudo da SAA

Apesar da queda, agricultor poderá ser beneficiado na aquisição do produto.

Levantamento realizado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Economia Agrícola (IEA), aponta que apesar da queda de 21,56% na venda de defensivos agrícolas em 2015, estimada pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), o agricultor paulista poderá ser beneficiado na aquisição do produto.

Isso porque mesmo com a desvalorização de 45,01% do real frente ao dólar registrada em 2015, que ocasionou o encarecimento dos princípios ativos utilizados nos defensivos, o atual cenário poderá estabelecer uma  competição entre os fabricantes em 2016.

Conforme alertou o pesquisador da Secretaria que atua no IEA, Celso Luis Rodrigues Vegro, "os agricultores podem ser beneficiados dessa conjuntura, por isso é recomendado que realizem pesquisa da lista de defensivos necessários para o próximo ciclo produtivo. Além disso, a situação propicia a realização de leilões pelos fabricantes, visto que eles estarão predispostos a oferecer vantagens substantivas aos potenciais compradores", avaliou.

De acordo com o estudo do IEA, a desvalorização do real em relação ao dólar foi o principal motivo da queda na demanda, uma vez que ampliou em 17,14% as cotações de venda dos 82 defensivos agrícolas monitorados pela entidade. Como mais de 90% dos princípios ativos utilizados na formulação desses produtos são importados, o resultado foi o encarecimento do produto final. "Embora tenha sido registrado aumento da área cultivada de 1,03%, excetuando-se o amendoim, feijão, mamona e milho, todas as demais lavouras de grãos exigiram retração da área", explicou o pesquisador.

O estudo demonstra ainda que, entre as categorias de defensivos, os inseticidas foram responsáveis pelo maior valor das vendas, representando 33% do faturamento total em 2015 e movimentando US$ 3,17 bilhões. No entanto, em comparação a 2014, esta categoria teve queda de 35,18% na comercialização, seguida pelos herbicidas, que tiveram decréscimo de 26,38% no período.

Contudo, se considerado o consumo do ingrediente ativo, o estudo revela que houve um aumento de 12,29% na utilização. "Tal divergência indica que os defensivos comercializados estão portando maiores concentrações de ingrediente ativo, permitindo redução com embalagens empregadas e maior rendimento, indicando que tecnologia mais eficiente tem sido difundida pelo segmento em benefício dos agricultores", ressaltou Vegro.

O levantamento realizado pelo IEA levou em consideração os preços médios dos defensivos nas regiões paulistas, e na opinião do secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim, são fundamentais para orientar o produtor agrícola. "Por meio da análise das informações, estamos seguindo uma das diretrizes do governador Geraldo Alckmin, de aproximar a pesquisa do produtor, para que ele tenha condições de ampliar sua competitividade no mercado, aumentar sua renda e produtividade", afirmou.

ANDEF. Avenida Roque Petroni Júnior, 850 . 19º andar . Torre Jaceru . Jardim das Acácias . CEP: 04707-000 . Tel.: 55 (11) 3087-5033 - (Mapa) Desenvolvido por UAU!LINE.