Você está aqui: Home / Imprensa / Notícias / São Paulo Fashion Week ‘Agro’

Roberto Rodrigues: o maior evento de moda do país não haveria sem a agricultura.

   Há poucas semanas, terminou a 30ª edição da São Paulo Fashion Week, com resultado espetacular.
   O evento ocupou três andares da Bienal, envolvendo 3.000 profissionais e movimentando R$ 1,5 bilhão durante os seis dias de sua duração, nos quais 350 modelos enfrentaram a passarela.
   Não é para menos. O setor têxtil e de confecção impulsiona uma economia que reúne 30 mil empresas de todos os tamanhos, empregando quase 2 milhões de brasileiros, dos quais 75% são mulheres.
   Só em 2010 foram gerados 65 mil postos de trabalho, com faturamento próximo de US$ 50 bilhões e produção de 10 bilhões de peças. São duas feiras por ano, uma de inverno e outra de verão, de modo que a SPFW já se realiza há 15 anos!
   Quando começou, dizia-se que o Brasil demoraria pelo menos uns 30 anos para se colocar bem no mercado da moda. Na metade do tempo, o país já é reconhecido mundialmente. E este é o quarto ano em que a SPFW é sustentável, sendo o primeiro evento de moda neutro em carbono no mundo: os geradores são tocados a biodiesel, a iluminação é limpa e a emissão de CO2 é reduzida.
   A SPFW foi um festival de glamour. Mulheres maravilhosas desfilaram com graça, mostrando suas curvas belíssimas em roupas ousadas, umas mais e outras menos exibidoras do esplendor de um ‘dream team’ de brasileiras como Gisele Bündchen ou estrangeiras como Paris Hilton.
   Uma festa para os olhos. E também para o bolso de alguns atores principais nesse teatro espetacular.
   Mas ela não seria realizada sem a agricultura. Entre as tendências para o inverno de 2011 está o acabamento com pele natural. E a do coelho foi a mais usada, embora muitos tenham investido na pelúcia sintética, ampliando o debate sobre o uso de pele animal na moda contemporânea. Ora, ‘sendo a carne de coelho um alimento, o uso de sua pele é sustentável’, argumentam os favoráveis ao uso. Debate instigante.
   Mas ninguém tem nada contra o algodão: trata-se de uma fibra natural. E aqui entra a magia da pesquisa agronômica que fez a Embrapa produzir o algodão colorido, cultivado por pequenos, médios e grandes produtores. E a SPFW deve muito aos Maeda, tradicionais cotonicultores brasileiros, e aos nossos heróis do oeste da Bahia ou de Mato Grosso, produtores do fio de qualidade internacional que impulsiona a nossa indústria da moda.
   Um designer da feira desfiou o algodão para dar um efeito de lã a uma manta. Aliás, a lã também é agrícola, pois vem das ovelhas que não cresceriam sem pastos e rações produzidas com milho e soja… E é orgânica, como o ‘couro opaco’.
   Outros agricultores estiveram por trás da SPFW: os de seda e de linho, por exemplo, bem como os silvicultores, os pecuaristas, os heveicultores, os floricultores, dando espaço a todo tipo de roupa.
   Os sapatos foram feitos de couro e da madeira que entra na fabricação dos saltos. Bolsas são de couro e tecido (lona). Borracha natural também entra em várias peças.
   E os perfumes usados pelas meninas? Sem flor não existiriam! Os desenhos das roupas, riscados em papel, só são feitos porque temos árvores plantadas.Engraçado: moda também é agro! Aliás, é com champanhe e com vinho -tudo vem da uva rural- que se brindou o sucesso do evento. E alimentos saudáveis garantem o escultural corpo das modelos.
   É isso, o agro empurrando a SPFW: o nosso setor têxtil é o quinto maior do mundo, e crescendo. Com as mesmas dores do agro em geral: câmbio, impostos, juros e logística.
   Tanto que, em 2010, as empresas têxteis e de confecção brasileiras amargaram deficit de US$ 3,5 bilhões na sua balança comercial. Está muito mais fácil importar do que exportar. Câmbio ruim!
   Moda e agro estão juntas nisso também: em 2010, 97% do faturamento dos têxteis, segundo a Associação Brasileira da Indústria Têxtil, veio das vendas no mercado interno. Em 2011 espera-se que as exportações cresçam 10% em relação ao ano passado. Vestuário com alto valor agregado pode contribuir para isso.
   Tudo muito parecido com o agro…


Autor: Roberto Rodrigues (Folha de São Paulo – 26/02)

 

ANDEF. Avenida Roque Petroni Júnior, 850 . 19º andar . Torre Jaceru . Jardim das Acácias . CEP: 04707-000 . Tel.: 55 (11) 3087-5033 - (Mapa) Desenvolvido por UAU!LINE.