Você está aqui: Home / Imprensa / Artigos / Sem controle de pragas e doenças país teria prejuízos bilionários, segundo Cepea

Mauro Zafalon* | Folha de S. Paulo

O produtor pode utilizar vários métodos para o combate de pragas e doenças em suas lavouras. Algumas técnicas ainda requerem, porém, uma difusão mais ampla e eficiente.

É um desafio, principalmente para pequenos e médios. Eles têm de identificar o problema, ter um conhecimento fitossanitário e buscar alternativas para o momento.

Algumas pragas, quando afetam as lavouras, exigem um controle rápido e eficiente. São os casos da ferrugem da soja, da lagarta Spodoptera do milho e do bicudo do algodão.

São as doenças e pragas mais devastadoras nas lavouras e de maiores custos para os produtores.

O Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), em parceria com a Andef (Associação Nacional de Defesa Vegetal) acompanhou as principais doenças e pragas nas lavouras de soja, de milho e de algodão nas safras 2014/15, 2015/16 e 2016/17.

O objetivo da pesquisa foi apurar os gastos dos produtores com a utilização dos agroquímicos e verificar o impacto econômico que a não utilização desses produtos traria para os agricultores e para o país.

Os produtores gastaram R$ 25,6 bilhões na safra 2016/17. Só na soja, foram gastos R$ 19,3 bilhões (R$ 4,3 bilhões no milho e R$ 2 bilhões no algodão).

O estudo do Cepea aponta, porém, que, se os produtores não tivessem utilizado os agroquímicos, haveria uma forte redução na produção, aumento dos preços dos produtos, queda nas exportações e elevação da inflação.

Essa perda de produtividade poderia ser suprida com um aumento de área, mas com custos maiores e mais pressão por novos espaços, segundo o Cepea.

Os agroquímicos pesaram muito no bolso dos produtores. Na soja, o percentual foi de 16,5% sobre o custo total de produção em 2017; no milho, de 9%, e no algodão, de 27%.

A não utilização dos químicos representaria gasto menor para os produtores, mas o resultado final, devido à quebra de produtividade, apontaria para intensos prejuízos, conforme um estudo hipotético daquela safra.

No caso da soja, os produtores teriam uma economia de R$ 5,75 bilhões se não utilizassem os fungicidas para o controle da ferrugem, mas a produtividade cairia 30%.

A perda de produção poderia ser compensada com o aumento de um terço a mais de área. Nesse caso, os gastos para o cultivo da nova área seriam de R$ 33 bilhões adicionais.

Sem aumento de área, os preços da soja subiriam 23%. Apesar da redução dos custos devido ao não controle da ferrugem e do aumento de preços da oleaginosa, a receita bruta total ainda seria 13,9% inferior à obtida com o controle.

Segundo o Cepea, o resultado econômico da soja em 2017 de R$ 8,32 bilhões, se converteria em um prejuízo de R$ 3,37 bilhões. Ou seja, o produtor teria um prejuízo total de R$ 11,7 bilhões.

Em 2017, a área com soja foi de 33,9 milhões de hectares, a produção somou 114 milhões de toneladas e os custos atingiram R$ 117 bilhões.

Em termos macroeconômicos, o país teria exportado US$ 4,5 bilhões a menos e a inflação teria subido mais 0,57 ponto percentual, atingindo 3,52% em 2017.

Utilizando o mesmo critério de pesquisa para o milho, o não controle da lagarta Spodoptera daria um alívio de R$ 3,42 bilhões para os produtores, mas ocorreria uma perda de produtividade de 40%.

Para compensar essa perda com aumento de área, os gastos adicionais seriam de R$ 25,3 bilhões.

Sem aumento de área e queda de produção, os preços do milho subiriam 13,6% no mercado interno.

Dentro do mesmo critério analisado na soja, o não controle da lagarta poderia trazer um prejuízo de R$ 20,5 bilhões para os produtores do cereal. A produção brasileira em 2017 foi de 97 milhões de toneladas, obtidas em uma área de 17 milhões de hectares.

No caso do algodão, o não combate ao bicudo, teria trazido uma economia de R$ 460 milhões para os produtores. A perda de produtividade seria, porém, de 30%. A compensação dessa perda de produtividade por expansão de área exigira recursos de R$ 2,53 bilhões.

A não compensação de área elevaria os preços internos em 5,5%. Economia com o não controle químico e o aumento de preços internos não compensariam a perda de produção.

O resultado final da lavoura seria uma perda de R$ 1,48 bilhão para os produtores. As receitas com as exportações cairiam 26,2% e o efeito sobre a inflação seria pequeno (mais 0,024 ponto percentual).

O Cepea divulgará duas novas pesquisas sobre o tema. A próxima terá enfoque sobre os impactos econômicos das incidências de pragas e de doenças na cultura do milho.

*Formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

Artigo publicado na coluna “Vaivém das Commodities”, do jornal Folha de S. Paulo, assinada pelo jornalista Mauro Zafalon.

ANDEF. Avenida Roque Petroni Júnior, 850 . 19º andar . Torre Jaceru . Jardim das Acácias . CEP: 04707-000 . Tel.: 55 (11) 3087-5033 - (Mapa) Desenvolvido por UAU!LINE.